Feeling | Catia
2
archive,author,author-catia,author-2,qode-social-login-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-4.4,side_area_over_content,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive
  • Sort Blog:
  • All
  • Business
  • Design
  • Digital
  • Fashion Productions
  • FEELING CREATIVE
  • FEELING DIGITAL
  • FEELING PRODUCTIONS
  • Sem categoria
  • Social Media

Sabe quem são os seus maiores concorrentes no instagram?

No instagram, os maiores concorrentes das marcas são os amigos e familiares dos seus seguidores. A verdade é que o instagram e outras redes sociais, foram criadas para ligar pessoas, não para vender. Uma foto de um amigo ou familiar vai sempre desencadear maior engagement, do que a uma foto de um produto.

Por isso, o conteúdo é tão importante e determinante para o sucesso do instagram da sua marca. É importante inspirar, é preciso cativar, conectar-se com a sua comunidade e potenciais seguidores. Mais do que vender, tem de criar uma comunidade que quer seguir a sua marca pelo que representa e traz de valor ao seu dia a dia e não somente pelo que vende.

Apenas publicar produtos não capta a atenção de ninguém, é necessário produzir conteúdo e bom conteúdo. Antes de investir na gestão de tráfego, que poderá sempre fazê-lo com a Feeling, pense primeiro que sem uma estratégia bem estruturada para as suas redes sociais, uma estratégia de conteúdos transversal (inspiracional, de valor, com informação, aspiracional).

DESIGN & ADVERTISING

Branding // Advertising // Campaigns // Catalogues // Copywriting // Newsletters // Communication Plans // Magazines //Blogues // Print

 

 

 

FASHION PRODUCTION

Concept // Storytelling // Full Production // Locations // Réperage // Casting // Photography // Make & Hair // Styling // Multimedia // Videos

DIGITAL MARKETING

PR Digital // Press Office // Social Media Management // Digital Marketing // Influencer Marketing // Web Development // ADS // Mobile APS

Tendências no Mundo Digital em 2018

O mundo digital tem vindo a evoluir. Estamos todos conectados, 24 horas por dia, através dos nossos dispositivos móveis. É inegável a importância da comunicação digital e o uso de estratégias nesta área para fazer chegar a sua marca de moda, beleza ou lifestyle ao seu cliente. Mais importante é acompanhar as tendências, conhecê-las e implementá-las na sua comunicação.

1ª tendência – Os Lives nas Redes Sociais:

  • Os lives vencem o algoritmo das principais redes sociais e são, neste momento, a aposta mais estratégica, o ingrediente para o sucesso, desde que bem feito.
    Acompanhar uma produção fotográfica, trazer dicas em direto de um stylist ou uma make-up artist, dicas de beleza ou até uma consultoria online, podem ser muito interessantes para a sua comunidade e prendê-los à sua marca, do início ao fim.

2º tendência – Insta Stories:

  • O Instagram está a crescer, cada vez mais, e com ele as Stories. Estão em destaque no Instagram e apenas são visíveis durante 24 horas. Esta limitação temporal gera na comunidade uma necessidade de ver rapidamente o que está acontecer. Caso não o façam, vão perder o conteúdo para sempre.

3º tendência – Digital Influencers:

  • Os Digital Influcencers são realmente a tendência do momento. Neste segmento da moda, beleza e lifestyle são apostas certeiras, desde que sejam bem escolhidos. Por isso, a importância de conhecer e segmentar bem o seu público-alvo. Os influencers são pessoas reais com grande popularidade nas Redes Sociais, com seguidores fieis, que acompanham todas as suas sugestões.

4ª tendência – Vídeos:

  • Os vídeos ganham em relação à imagem. Apesar de serem conteúdos mais caros para produzir, ganham em relação às imagens. São mais dinâmicos, podem ser mais emotivos e estabelecer outra proximidade. Além disso, podem passar mais informação. Este tipo de conteúdos está a crescer e vai dominar em 2018.

5ª tendência – Dispositivos Móveis:

  • Esta é uma tendência óbvia. Fácil de utilizar, está sempre connosco, intuitiva, permite-nos estar em contacto com o mundo 24 horas/dia. Além disso, existem apps que só podem ser usadas através de dispositivos móveis, o que torna-o ainda mais obrigatório.

6ª tendência – Inteligência Artificial:

      Inteligência Artificial e a Realidade Virtual são duas das maiores tendências.

 

  • A Inteligência Artificial vai permitir otimizar os negócios de uma forma muito autónoma, sobrando mais tempo para outras tarefas. Por exemplo, poderá utilizar a Inteligência Artificial para que esta tome decisões, baseada numa análise de dados. Desta forma, não terá de perder tempo a analisar resultados e decidir o próximo passo. Já a Realidade Virtual pode ajudar a superar a sua concorrência, como por exemplo, ajudar o cliente a ver como aqueles óculos poderá funcionar bem no seu rosto. É uma boa maneira de se distinguir .Através desta ferramenta, o seu público poderá, por exemplo, prever como vai ficar na sua sala o sofá que pretende comprar, sem ele estar realmente lá. Estas simulações permitidas pela Realidade Virtual são importantíssimas para a tomada de decisões quando chega a altura da compra.

Precisa de ajuda com a sua estratégia? Fale connosco!

Vale a pena apostar em micro influencers?

O influencer marketing tornou-se numa estratégia poderosa para as marcas. Hoje, as marcas querem chegar ao seu consumidor de uma forma mais subtil, e não tão agressiva, como é o caso das campanhas publicitárias.  Em vez de comunicarem directamente com potenciais consumidores, as marcas angariam online influencers que fazem chegar a mensagem do produto ou serviço ao seu público-alvo. É uma das maiores tendências digitais. As marcas necessitam de pessoas que comuniquem eficazmente os seus produtos e serviços – sejam elas experts em determinado assunto, celebridades ou bloggers/vloggers da atualidade – , mas o que determina, afinal, ser um bom influencer?

Há uns 20 anos, o passa palavra, a recomendação de clientes a outras pessoas era encarado com a máxima importância. Hoje, neste mundo digital, o worth-of-mouth vai muito além das recomendações que as pessoas mais próximas podem fazer. Agora, temos as Bloggers, Vloggers, Instagrammers, Youtubers, deixando-nos a todos perante a era dos Influencers. Na verdade, este já não é um conceito novo, mas uma nova fase parece estar a começar. Estamos a falar dos micro-influencers, onde também eles estão a ganhar a sua relevância, junto das marcas e das empresas.

A premissa do micro-influencer marketing é a mesma, mas numa escala mais pequena e segmentada.  A vantagem das marcas trabalharem com estes influencers, é porque os seus seguidores interagem mais com estas pessoas, em vez de fazerem anúncios mais dispersos e dispendiosos.

Ao contrário das grandes celebridades ou outros influencers com milhares de seguidores nas redes sociais, os micro-influencers são pessoas consideradas comuns,  mas mais autênticas. Segundo alguns especialistas,  um micro-influencer tem entre 1000 a 20000 seguidores e estima-se que ofereça cinco vezes mais engagement nas suas páginas do que os grandes influencers. Ou seja, estes bloggers ou vloggers de nicho – providenciam assim um Return On Investment (ROI) tão bom ou melhor quanto um influencer de maior escala, já que estamos a falar de uma audiência altamente específica.

A grande vantagem é que estes influencers são mais acessíveis a nível de investimento financeiro para as marcas mais pequenas e de média dimensão.
Sabemos que um influencer conceituado pode pedir bastante dinheiro por um post, enquanto que um micro-influencer não exige tanto. Muitos até consideram essas apostas das marcas também como uma forma de os ajudar a crescer e nem percebem o potencial que os seus conteúdos têm para a concretização de resultados. 

O certo é que, por terem normalmente audiências tão fiéis, os micro-influencers conseguem aparecer mais vezes nos feeds das redes sociais. Curioso é que todos querem ser grandes, mas o segredo, de futuro, poderá estar em manter uma audiência pequena, altamente interativa e segmentada.

Facebook está a mudar… e agora?

O facebook anunciou esta semana alterações no algoritmo do facebook. Esta rede irá dar cada vez menos margem às marcas que promovem os seus produtos com apenas alcance orgânico.

Mark afirma também, no seu comunicado, que as pessoas passam muito tempo no Facebook a ver entretenimento e notícias, que vai contra o ideal que ele criou para esta rede social: unir amigos e família.

O que é que obriga estas alterações?

– aposta nos vídeos, que ainda são conteúdos de bom alcance no facebook;

– aposta nos lives, mesmo que não seja semanal, pelo menos, 1 vez/mês, com uma abordagem a temas como dicas de styling, informação, dicas de beleza, dependendo da marca, do seu conceito e target.

– todos os conteúdos comerciais devem ser patrocinados, caso contrário o algoritmo do facebook não permitirá o alcance dessa publicação à comunidade da marca.

– conteúdos de extremo interesse da comunidade, inspiracionais, informativos, que passem muito mais o lifestyle da marca, sem um puro interesse comercial.

Outras soluções recomendadas pelo facebook:

– Informar a comunidade para ativar as notificações no “ver primeiro”.

O objetivo do facebook é que a comunidade “afine” o seu feed para conteúdos e marcas que realmente gostam e querem seguir.

– As páginas já podem criar Grupos, para que as comunidades possam fazer parte e interagir. Esta é uma solução bastante viável para aplicar.

Resumo:

– Pessoa para pessoa mais importante;
– Página para pessoa menos importante;
– Transmissões ao vivo mais importante;

 

Se precisa de ajuda a traçar um plano de ação na gestão das suas redes, contacte-nos.

O que é o SEO?

Já ouviu falar no SEO? Sabe como funciona e o que é? E de que forma está relacionado com os motores de pesquisa como o Google?

O que é SEO?
 
SEO é a sigla para Search Engine Optimization. Em português, este termo pode ser traduzido como otimização de sites para os mecanismos de pesquisa, como o Google, entre outros. É, portanto, um conjunto de técnicas que têm como principal objetivo optimizar os sites para os motores de pesquisa, utilizando palavras-chave para que o conteúdo do site fique melhor posicionado nos resultados orgânicos.
 
Mas, afinal como é que funciona?
Ao escrever um texto e publicá-lo no seu site deve utilizar um termo, uma palavra-chave, que defina o que a maior parte das pessoas procuram relacionado com esse tema. Assim, sempre que o seu potencial cliente fizer uma pesquisa com essa mesma palavra, encontrará o seu site com mais facilidade. Mas antes disso, é preciso o site ganhar a confiança dos motores de busca.
 
Para isso vai ser necessário conhecer os principais fatores do ranking e investir em estratégias de SEO.
Para garantir a eficiência dessas estratégias é necessário:
  • Conteúdo de qualidade;
  • Uso correto de palavras-chave;
  • Links internos para outros artigos do site;
  • Links externos para o blog;
  • Arquitetura e desenvolvimento adequados do site.
 
Como funciona o ranking no Google?
 
Os motores de busca têm pequenos robots que circulam pela internet, avaliam cada publicação e verificam se estas condizem com as diretrizes determinadas. Estes robots são conhecidos como crawlers.
O Google tem mais de 200 fatores para garantir que um site está otimizado, e os principais são:
  • Palavra-chave no título, subtítulo e ao longo do texto;
  • Título da publicação começar com palavra-chave;
  • Extensão e atualização de conteúdos;
  • Quantidade de publicações no blog ou site;
  • Links externos e internos.
 
Quando está a escrever um conteúdo, deve ter em atenção em encontrar um equilíbrio entre as técnicas de SEO e oferecer um conteúdo de interesse. Veja quais os cuidados que deve ter para garantir que o seu site esteja qualificado para pessoas e motores de pesquisa:
 
Conteúdo para público-alvo:
 
  • Tamanho: Não existe um tamanho ideal para uma publicação, no entanto, textos mais longos podem atingir um melhor ranking.
  • Escaneabilidade: Um texto é considerado escaneável quando permite que o leitor passe os olhos por ele e consiga identificar quais são os tópicos que serão abordados.
  • Relevância: Planeie as publicações do seu blog e produza conteúdos do interesse do seu potencial cliente.
  • Diferenciação: Diversificar as publicações é um ponto a favor. Vídeos, imagens etc.
  • Rapidez: se o seu blog demora para carregar a página, certamente o utilizador não irá continuar no seu site.
 
Conteúdo para motores de pesquisa:
 
  • Uso adequado de palavras-chave: Ao longo do texto, é ideal que a palavra-chave apareça pelo menos 3 vezes: uma no primeiro parágrafo, num dos subtítulos e no último parágrafo.
  • Hyperlinks: Os links internos e externos são muito importantes.
  • Responsive: Atualmente o smartphone é o principal meio de acesso à internet, ou seja, o seu site ou blog deverá adaptar-se a diferentes dispositivos.
  • Design da página: Para tornar a experiência do utilizador mais agradável, tenha cuidado com o tamanho e a fonte adotada, não exagere na quantidade de informações disponíveis.
 
Estratégias de SEO para iniciantes:
 
  • Meta description: Cada publicação deve ter uma meta description. Ela aparece nos resultados de pesquisa e apresenta um resumo do que vai ser apresentado no conteúdo. Evite escrever mais do que 160 caracteres, não se esqueça de usar a palavra-chave.
  • Alt Tag nas imagens: O Alt Tag é uma descrição das imagens do seu blog, de no máximo 8 palavras (de preferência com a palavra-chave entre elas).
  • Título da página: O título da sua página, também conhecido como Title Tag, deve seguir algumas regras:
  • Ser a única área formatada em H1;
  • Ter no máximo 55 caracteres;
  • Conter palavra-chave.
  • URL amigável: A URL do seu blog deve ser amigável e optimizada. O ideal é que tenha no máximo 5 palavras e, dentre elas, a palavra-chave. Isto facilita o trabalho dos motores de pesquisa.

    Agora que sabe, não deixe este conhecimento de lado e aplique-o no seu website com a ajuda de profissionais qualificados.

Rebranding: 5 razões para mudar a identidade visual da sua marca

Já lhe devem ter dito que o seu branding é fundamental para o marketing da sua marca, certo? Mais ainda, já lhe disseram certamente que o branding não se reduz apenas ao logotipo ou a um slogan. Uma empresa, uma marca evolui, situações surgem que “pedem” que a sua identidade acompanhe essa evolução, não só da marca, mas também do mercado em geral. E para que a sua marca não se torne obsoleta, é preciso reinventar-te, precisa de um rebranding.

O que é Rebranding
Rebranding consiste em reinventar a identidade visual da sua marca, de forma a conseguir comunicar fielmente o conceito da sua marca com o seu público-alvo.  Dependendo da marca, o tipo de mudança pode variar: pode ser apenas alterar o logo, cores ou mudar um slogan ou ir muito além disso. Muitos vezes, é preciso ser arrojado e mudar toda uma cultura, com a transmissão de um novo caminho, toda uma nova identidade da empresa. Pense sempre que o  rebranding implica toda uma reflexão estratégica, com o intuito de fortalecer a marca e transmitir ao seu mercado o seu posicionamento, a sua cultura, de forma fidedigna. Imagine o seu cliente a olhar para uma marca e perceber de imediato o que representa e como se posiciona?  

 

As 5 principais situações que “pedem” um rebranding:

 

1. Mudou a  abrangência do seu mercado? 

Não é tão comum que uma organização mude completamente o seu público-alvo, mas pode surgir a necessidade de abranger novos serviços ou produtos e isso implica uma nova identidade que represente essa alteração no target. Por exemplo, a sua marca até então era exclusiva para mulheres, tem uma identidade demasiado feminina… mas agora, tem também uma coleção para homem, então surge a necessidade de a marca acompanhar o target que agora abrange.

2. Quer melhorar em relação à Concorrência?

É fundamental que o seu branding transmita todo o seu potencial. Uma má interpretação da sua marca, uma má valorização da sua marca ou produto, devido a uma imagem que não acompanha o nível da sua concorrência dá-lhes ainda mais espaço.

5. Precisa atualizar o seu design?

O seu logótipo está ultrapassado? Se a identidade visual do seu negócio precisa de uma atualização, porque pertence à década passada, então chegou o momento de avançar com um rebranding. As tendências de design mudam rapidamente: fontes, cores e formas que pareciam frescas na época podem estar obsoletas e contextualizar a sua marca de forma completamente errada.

 

6. Há uma Discrepância entre a marca e a imagem da empresa?

É possível que o nome da marca, o seu logotipo ou slogan não passem a mensagem correta em relação à sua marca, ou deixarem dúvidas em relação ao que ela faz. Neste caso, o rebranding é fundamental para que a marca seja a personificação da organização em todas as suas virtudes e conforme a sua cultura.

7. A sua marca evoluiu, há um notório crescimento da sua empresa?

Uma marca acaba por evoluir ao longo dos anos, expandindo-se em diferentes mercados ou vendendo produtos diferentes. Se o que a sua marca oferece já não corresponde à forma como gostaria que fosse reconhecida, poderá ser a hora de repensar o seu branding. Vamos imaginar que a sua marca expandiu a nível internacional, significa mais funcionários, mais clientes e aumento da quota de mercado. Uma mudança com novas unidades físicas, produtos ou serviços e até um novo modelo operacional e de gestão. O rebranding não é só uma imagem, comunica, interna e externamente, toda uma visão, missão e valores adequados ao novo momento da organização.

Identificou-se com um destes casos? Chegou o momento de repensar a identidade da sua marca!

Feeling Productions: Passo a Passo para uma Campanha de Sucesso #2

Depois de uma boa preparação de toda a produção, chegou o dia ou dias das fotos. O mood board e o call sheet (folha em excel, com o cronograma da produção e a listagem da equipa com os respectivos contactos) são preciosos para o controlo de toda a equipa e dinâmica do dia. Esta é uma tarefa que está nas mãos do produtor(a). O fotógrafo não quer estar preocupado com questões de produção, se o modelo está pronto ou não, se a equipa tem café ou se falta alguém. O fotógrafo e a equipa técnica quer estar descansada a preparar o set fotográfico e não com detalhes da produção, que não é da responsabilidade do fotógrafo, mas do produtor.

PASSO 3: O DIA DAS FOTOS

Normalmente, este tipo de campanhas pode ir de entre 8 a 12 pessoas, ou mais, dependendo da dimensão da campanha e dos profissionais envolvidos no dia das fotos. O fotógrafo geralmente está acompanhado de, pelo menos, um assistente. O stylist também leva um assistente, dependendo da dimensão da produção; o Make-Up Artist quando há mais de uma modelo, também precisa de ajuda, por exemplo, para os cabelos. Fora o próprio produtor, cuja presença é obrigatória, e da própria marca para acompanhar. Além disso, pode existir uma equipa de apoio, de acordo com a necessidade da campanha.

No dia da sessão, o produtor tem com ele um call sheet em mãos, com o contatos de todos os envolvidos, assim como a previsão do tempo em cada foto, respeitando o horário da luz caso a foto seja externa ou a hora extra do estúdio, caso o tempo seja ultrapassado (planificação habitual em qualquer tipo de produção, fundamental para o controlo de todo o trabalho). Uma reunião prévia de 10 minutos com toda a equipa a olhar para o moodboard é fundamental, para que todos estejam em sintonia no alcance do resultado final.

PASSO 4: PÓS-PRODUÇÃO

Esta é a fase da conclusão de todo o trabalho prévio. É aqui que tudo o que foi idealizado, ganha o formato final. A seleção das melhores fotos, a edição, que é muito importante, a paginação e o design final, que já tinha sido previamente pensado no briefing inicial.